OS GENTIOS JAMAIS TIVERAM LEI | Ministério Graça sobre Graça

 

  OS GENTIOS JAMAIS TIVERAM LEI

OS GENTIOS JAMAIS TIVERAM LEI

Por Cristiano França

(Instagram: cfeleito)

 

“Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei.” (Romanos 2:14)

 

Sem sombra de dúvidas uma das maiores dificuldades para o bom entendimento do Evangelho da Graça é a falta de conhecimento das pessoas em relação à diferença entre judeus e gentios. Eu, particularmente, passei vinte anos no meio do sistema religioso e, mesmo exercendo liderança, sendo professor de classes em Escolas Bíblicas Dominicais e pregador desde os quinze anos de idade, jamais durante todo este tempo eu soube desta verdade, pois nenhum dos meus líderes naquele tempo ensinou à igreja sobre este tema. E, apesar de ser algo tão claro na Palavra, à época jamais enxerguei por conta própria que Paulo era o apóstolo escolhido por Deus para ser enviado especificamente aos gentios e, muito menos, que ele pregava um Evangelho diferente, específico para o Novo Pacto.

 

Sem entender a questão dos gentios, jamais será possível compreender o porquê de não ser correto praticarmos obras da Lei, cerimonialismos e festas judaizantes.

 

Antes de prosseguirmos, vamos ver que verdadeiramente Paulo foi, da parte de Deus, o apóstolo definitivo aos gentios e ao Evangelho da Graça:

 

“Porque convosco falo, gentios, que, enquanto for apóstolo dos gentios, exalto o meu ministério.” (Romanos 11:13)

 

“Para o que (digo a verdade em Cristo, não minto) fui constituído pregador, e apóstolo, e doutor dos gentios na fé e na verdade.” (1ª Timóteo 2:7)

 

“Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do Evangelho da graça de Deus.” (Atos 20:24)

 

Está bem claro que Paulo foi apóstolo para os gentios e lançou o fundamento da Palavra da Graça. Assim, surge a pergunta que todos no meio do povo de Deus deveriam se fazer: por que o Senhor separou um apóstolo além dos doze que Ele já possuía? Bem, se o Pai fez isto, é porque Ele desejava, obviamente, que os gentios ouvissem uma Palavra específica, além daquilo que os doze discípulos de Jesus de Nazaré poderiam oferecer. E mais: ao separar Paulo e lhe revelar o Evangelho da Graça, sem compromissos com as obras da Lei, o Senhor deixou bem claro que o Seu desejo para os gentios é que estes não se envolvam com a religiosidade judaica (e este é o desejo de Deus para os hebreus também, vide o conteúdo da carta Aos Hebreus).

 

O que vemos no meio das congregações desde muitos séculos (ou seja, isto não ocorre apenas hoje em dia) é uma verdadeira afronta à vontade do Senhor para os Seus eleitos que. Afinal, a grande maioria do povo que crê está absolutamente judaizada. E um gentio ser judaizado, biblicamente, é uma grande heresia:

 

“Mas, quando vi que não andavam bem e direitamente conforme a verdade do evangelho, disse a Pedro na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus? (Gálatas 2:14)

 

O chamado de todo o povo predestinado de Deus, inclusive os de sangue hebreu, é para viver longe das obras da Lei. Mas, este chamado se torna ainda mais forte para os não-hebreus, pois estes nunca tiveram Lei espiritual da parte do Pai. Os gentios nunca fizeram Páscoa Judaica, nunca deram dízimos, nunca jejuaram (não de acordo com os mandamentos da Lei), nunca guardaram sábados etc. Se nem mesmo na época da Lei de Moisés — que era exclusividade dos judeus — os gentios cumpriam seus rituais, por que justamente agora, no tempo da Graça, precisam cumprir?

 

É definitivamente urgente que o povo de Deus desperte para estas verdades; por isso insistimos em pregar a Palavra da Graça.

 

Deus já nos abençoou!

 

 




Voltar