O PONTO DE VISTA HUMANO SOBRE A SALVAÇÃO | Ministério Graça sobre Graça

 

  O PONTO DE VISTA HUMANO SOBRE A SALVAÇÃO

O PONTO DE VISTA HUMANO SOBRE A SALVAÇÃO

Por Cristiano França

 

“Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, NOS SALVOU...” (Tito 3:5)

 

A chegada do Evangelho da Graça em minha vida me trouxe incontáveis benefícios. E um dos que mais destaco é o descanso em relação à Salvação eterna. Quem conhece um pouco da minha história sabe o quanto eu temia o evento da “volta de Cristo”, porque sempre achava que não seria salvo, mesmo com todo o meu empenho religioso. Lembro-me que quando criança eu temia qualquer grande estrondo, pois achava que era “Jesus voltando”. Certa vez fiquei apavorado e chorei muito quando vi a lua de cor alaranjada (fenômeno bem comum devido à densidade atmosférica, poeira e poluição das grandes cidades), pois achei que era a lua se "tornando em sangue". E mesmo já sendo adulto, o grande temor de “perder a Salvação” continuava forte e tomava uma parte importante da minha vida. Enfim, a revelação da Graça acabou com todos esses medos e me deu paz interior, principalmente em relação ao assunto Salvação eterna.

 

Quando o Espírito de Deus abriu os meus olhos para a segurança da Salvação e me fez entender que a mesma não depende de mim, isto é, de meus esforços, méritos, sacrifícios etc., eu recebi esta notícia como algo poderosamente maravilhoso e transformador. Por isso, confesso que passei a estranhar o fato de as pessoas serem tão contrárias à Salvação totalmente pela Graça. Afinal, como pode alguém ouvir sobre uma verdade desta grandeza, com todo o fundamento bíblico que o genuíno Evangelho proporciona e, ainda assim, não aceitar que tudo é por Graça, que a Salvação nos foi dada de forma absolutamente GRATUITA?

 

Quando comecei a falar para as pessoas sobre a segurança da Salvação e sobre o fato de não precisarmos “pagar o preço” para que fôssemos salvos pelo Senhor, a maioria delas ficava — e ainda fica — espantada e recebia estas informações de forma absurdamente negativa. Como disse acima, no início eu não entendia esta reação (já que para mim este entendimento foi muito bem recebido). Posteriormente, com a minha vivência e experiência adquiridas com o exercício ministerial pude chegar a uma conclusão sobre o motivo que leva as pessoas a rejeitarem a ideia da Salvação gratuita, a saber: sem o conhecimento da Graça as pessoas tendem a ver as coisas de Deus sob o ponto de vista humano.

 

Quando temos um sonho precisamos lutar muito por ele. Se, por exemplo, queremos nos formar em medicina, precisamos esquentar o banco da faculdade durante anos, sem contar o período de residência. E, na verdade, as dificuldades se dão em qualquer que seja o curso que desejamos fazer. Quando queremos adquirir alguma coisa de grande porte (um carro novo, uma casa etc.) precisamos planejar a sua compra (se formos pessoas “normais”, isto é, sem grande poder aquisitivo, é claro), poupar e, depois, pagarmos o preço pelo bem desejado. Com isso, as pessoas têm a tendência de levar este raciocínio para o âmbito espiritual. Assim, muitas pensam: “se eu preciso me esforçar para conseguir as coisas nesta vida, por que não preciso me esforçar pela Salvação — que é algo tão importante?”. Este raciocínio religioso é absolutamente carnal e maldito, pois anula a Graça de Deus e faz as pessoas viverem por obras e não somente pela Fé.

 

Sempre recebo mensagens me perguntando: “Se uma pessoa praticar isso ou aquilo (obras más), ela vai ser salva?”. Esta pergunta é fruto do que acabei de relatar: as pessoas tendem a relacionar a Salvação eterna com méritos. Ou seja, por mais que a Palavra deixe MUITO CLARA a ideia real de que a Salvação é pela Graça, sem obras (Efésios 2:8-9), as pessoas sempre pensam que para sermos salvos precisamos praticar alguma coisa boa ou deixar de praticar esta ou aquela obra má. Por isso quero deixar algo bem claro aqui: independente do que fazemos ou deixamos de fazer, nós somos salvos exclusivamente pela misericórdia de Deus, que nos deu a Vida Eterna sem qualquer vínculo com méritos humanos e também sem que a manutenção da Salvação esteja vinculada à ausência de obras más de nossa parte. Ele nos salvou pelo Eterno Amor que nutre por todos os Seus filhos eleitos. Qualquer raciocínio que passar disso está fora da Palavra e vem de homens desviados da Verdade.

 

 




Voltar