NÓS NÃO SOMOS COMO MOISÉS | Ministério Graça sobre Graça

 

  NÓS NÃO SOMOS COMO MOISÉS

NÓS NÃO SOMOS COMO MOISÉS

Por Cristiano França

(Instagram: @cfeleito)

 

“E NÃO SOMOS COMO MOISÉSque punha um véu sobre a sua face, para que os filhos de Israel não olhassem firmemente para o fim daquilo que era transitório.” (2ª Coríntios 3:13)

 

Sem dúvida alguma, quando nos convertemos verdadeiramente ao Senhor Jesus, o véu de Moisés (Antigo Pacto) é retirado definitivamente de nossos olhos. Isto ocorre em nossas vidas quando o Evangelho deste Novo Pacto nos é revelado. A propósito, a palavra revelar significa “tirar o véu”, “deixar ver”, “manifestar”, “fazer conhecer” etc.

 

“E até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles. Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará.” (2ª Coríntios 3:15-16)

 

Como podemos observar no versículo que inicia este texto, Paulo diz que Moisés pusera um véu sobre seu próprio rosto. E, de acordo com o contexto deste versículo, o grande líder dos hebreus fez isto, pois sua face brilhava de tal maneira que os filhos de Israel não conseguiam enxergar o seu semblante devido à ofuscação causada pelo clarão:

 

“Ora, se o ministério da mortegravado com letras em pedras (a Lei), veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fixar os olhos no rosto de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual se estava desvanecendo, como não será de maior glória o Ministério do Espírito?” (2ª Coríntios 3:7-8)

 

Certamente Paulo utilizou este acontecimento da história hebreia como uma metáfora do que a Lei ocasiona na visão espiritual das pessoas. Se observarmos bem, o rosto de Moisés brilhava tanto que ninguém conseguia enxergá-lo. Ou seja, assim como o brilho na face de Moisés impossibilitava a visão das pessoas, hoje em dia a Lei do Antigo Pacto faz o mesmo com os olhos espirituais do povo: ela ofusca os entendimentos, não permitindo que os santos vislumbrem os benefícios da Nova Aliança. E ainda de acordo com a figura usada por Paulo, o impedimento oriundo da Lei ocorre em duas vias. Explico: por um lado o povo não podia ver o rosto de Moisés por causa da luz forte que este emitia; por outro lado o próprio líder hebreu também não podia enxergar adiante, pois tinha um véu à frente de seus olhos.

 

Uma das mensagens mais recorrentes que recebemos através de nosso site na Internet diz respeito à mudança que a Graça proporciona na visão dos abençoados. Muitos nos escrevem se perguntando como puderam não ter enxergado antes os conceitos da Graça que hoje, após a revelação, são tão evidentes. E isto é uma grande realidade! Durante alguns anos fui professor de classe na Escola Bíblica Dominical de duas congregações legalistas. E, apesar do conhecimento que tinha para lecionar, na época não consegui enxergar as diversas evidências do Evangelho revelado a Paulo. Da mesma maneira, o que mais vemos no sistema religioso são líderes que têm um grande conhecimento bíblico, mas que não têm nenhuma noção da existência do Evangelho da Graça. Com isso, estes vivem por aí “…enganando e sendo enganados.” (2ª Timóteo 3:13). Hoje, por meio do conhecimento da genuína Palavra de Deus, entendemos que este tipo de bloqueio no conhecimento ocorre por causa da presença do véu da Lei de Moisés nos olhos espirituais das pessoas. Por mais que alguém possua um grande conhecimento “técnico” da Bíblia, se não houver a legítima conversão, o véu não será retirado e, com isso, não se poderá enxergar a verdade contida nas quatorze epístolas do apóstolo dos gentios.

 

Sou muito grato a Deus por não sermos como Moisés. Ou seja, o grande brilho que sai de nosso rosto (a Palavra em Graça que defendemos) não bloqueia a visão das ovelhas. Ao contrário! Por meio de nossa pregação os olhos dos escolhidos são iluminados de dentro para fora (os olhos espirituais) e todo véu é retirado. Damos glórias eternas ao Pai por isto!

 

Tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos.” (Efésios 1:18)

 

Deus já nos abençoou!

 

 

 




Voltar