MUITAS BANDEIRAS, MAS UMA SÓ VERDADE | Ministério Graça sobre Graça

 

  MUITAS BANDEIRAS, MAS UMA SÓ VERDADE

MUITAS BANDEIRAS, MAS UMA SÓ VERDADE

Por Cristiano França

 

“Mas faço-vos saber, irmãos, que o Evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens.” (Gálatas 1:11)

 

Neste mundo existe um sem-número de denominações e pregadores que se rotulam como “cristãos” e, por mais que se assemelhem em muitos pontos de suas mensagens, todos esses segmentos e lideranças diferentes possuem particularidades em suas pregações e doutrinas. Alguns aceitam bem esta realidade usando a ideia de que a Sabedoria de Deus é “multiforme”. Assim sendo, segundo os que usam de tal argumento, a Sabedoria Divina Se manifestaria de maneiras diferentes nas diversas denominações existentes:

 

“Para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida…” (Efésios 3:10).

 

Concordo que a Sabedoria do Eterno seja multiforme, até porque, como acabamos de ver, está escrito. Porém, isto não significa que a Mensagem do Evangelho se subdivida em “verdades diferentes”. Esta ideia não faz sentido algum, já que, obviamente, só existe uma Verdade.

 

A multiformidade da Sabedoria do Eterno não está na diversidade de segmentos que se autoproclamam baluartes da mensagem cristã com suas teses totalmente antibíblicas na grande maioria dos casos. Não! As “muitas formas” da Sapiência Divina estão manifestadas na única Verdade existente quando o assunto é a Mensagem de Cristo, a saber, a Palavra da Graça — o Evangelho revelado a Paulo:

 

“Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à Graça de Cristo para outro evangelho; o qual não é outro, mas há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo.” (Gálatas 1:6-7)

 

Está bem claro que a pregação que não está de acordo com o Evangelho da Graça revelado ao apóstolo dos gentios, não pode ser considerada como evangelho, mas como uma perturbação e uma perversão da genuína Mensagem Cristã.

 

A recomendação de Deus para Sua Igreja (não denominações e templos de alvenaria, mas o Corpo de Cristo no mundo) é que aqueles que a compõe possuam uma única forma de pensar:

 

“Completem a minha alegria, tendo o mesmo modo de pensar, o mesmo amor, um só espírito e uma só atitude.” (Filipenses 2:1-2 — NVI)

 

Não há dúvidas que a Igreja do Senhor só alcançará este nível de maturidade a ponto de obter uma única forma de pensar quando o povo de Deus disser NÃO aos outros (falsos) evangelhos e se voltar (se converter!) à Única Palavra válida neste Novo Pacto.

 

Com as muitas mensagens diferentes pregadas mundo afora, como uma pessoa pode identificar aquela que genuinamente pode ser chamada de Evangelho? Bem, algumas características básicas são importantes para que diferenciemos a Verdade e constatemos os embustes:

 

1) Evangelho significa “boa notícia”. Deste modo, a pregação precisa trazer as boas novas das conquistas espirituais de Cristo por nós, ou seja, um discurso genuinamente cristão precisa demonstrar exatamente o que Jesus conquistou e nos deu gratuitamente (Graça).

 

2) Uma pregação verdadeiramente cristã não pode conter ou defender heresias e práticas antibíblicas em seu bojo. Me refiro a doutrinas e usos sem respaldo no que está escrito no texto bíblico, principalmente no Novo Pacto. Exemplos: falar em “línguas estranhas” (no estilo pentecostais), fazer “campanhas” (ou “correntes”) para obter a manifestação de bênçãos, veneração à Maria e a outros “santos”, “cair no poder de Deus”, vendas de objetos “ungidos”, Deus “falando pessoalmente” pela boca de um “profeta” e não por Sua Palavra, marchas para Jesus, shows gospel etc.

 

3) Por fim, a mensagem cristã de fato não pode incentivar a prática de obras da Lei, tais como: jejuns de alimentos, guardar sábados, a prática do Dízimo nesta Nova Aliança, lavagens (batismos), Páscoa Judaica (“Ceia”), entre outros.

 

Busquemos sempre viver cada vez mais próximos da ÚNICA VERDADE DE DEUS que é o Evangelho que nos revela a Sua Graça dispensada a nós neste Pacto Eterno posterior à cruz.

 

 




Voltar