CULTO RACIONAL OU CULTO EMOCIONAL? | Ministério Graça sobre Graça

 

  CULTO RACIONAL OU CULTO EMOCIONAL?

CULTO RACIONAL OU CULTO EMOCIONAL?

Por Cristiano França

(Instagram: cfeleito)

 

“Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.” (Romanos 12:1)

 

É de suma importância que estipulemos para nós mesmos as nossas prioridades na vida. Digo isto, pois determinar prioridades faz parte da projeção e da organização necessárias para que a nossa caminhada no mundo se dê da melhor maneira possível. E, claro, precisamos ter em mente que devemos priorizar o que realmente é importante para nós, o que realmente vai fazer a diferença em nossas vidas.

 

O apóstolo Paulo, escrevendo aos romanos, nos ensina qual é o verdadeiro culto que deve ser oferecido a Deus: o culto racional. E o que significa isto? Racional está relacionado à razão; a razão está ligada à lógica e à inteligência, e estas, por sua vez, estão ligadas à mente, ao entendimento. Por isso, e não por acaso, que Paulo, ao falar da forma como servia a Deus, afirmou aos romanos o seguinte:

 

“Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Assim que eu mesmo com o entendimento (com a mente) sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado.” (Romanos 7:25)

 

Como está claro no texto que acabamos de ler, Paulo servia a Deus por meio de sua mente. Assim, fica estipulado pela Palavra que neste Novo Pacto é em nosso ambiente mental que devemos servir ao Senhor; e isto se dá, principalmente, por meio da busca e valorização do conhecimento oriundo do Evangelho.

 

No início deste texto falei sobre priorizarmos coisas que são verdadeiramente importantes para o nosso viver. E, infelizmente, o que mais tenho notado ao longo desses quase 20 anos propagando o Evangelho da Graça é que as pessoas no meio da religião estão longe de terem o aprendizado da Palavra do Senhor como prioridade em suas vidas. Muitos até têm zelo por Deus, mas não possuem entendimento:

 

“Porque lhes dou testemunho de que têm zelo de Deus, mas não com entendimento.” (Romanos 10:2)

 

Ora, se alguém está servindo a Deus, mas não está realizando isto com entendimento, esta pessoa não está servindo a Deus de maneira legítima uma vez que, como já vimos, é com o entendimento que servimos ao Pai de nossos espíritos.

 

É lamentável notarmos que as pessoas no meio da religião (me refiro aqui mais aos evangélicos e católicos) ainda estão à procura de emoção e não da razão. Muitos — a grande maioria, acredito — têm um conceito muito equivocado do que vem a ser um culto genuíno. Muito provavelmente, se perguntarmos para algum religioso o que ele entende ser um culto satisfatório, este dirá que é aquele onde ele “sente a presença de Deus”. Entenda-se por “sentir a presença de Deus” o fato de as pessoas se emocionarem, chorarem etc. Neste caso, quando as pessoas dizem “o culto da minha igreja hoje foi maravilhoso”, geralmente elas não estão falando do ensino recebido, mas da emoção que sentiram na hora das canções entoadas ou da “oração forte” do pastor, enfim. Biblicamente, porém, um culto satisfatório é aquele oferecido a Deus em nossa mente através da revelação de Sua Palavra. Isto é, quando, a cada culto, recebemos a Palavra de Cristo em nosso entendimento, glorificamos a Deus pelo alimento espiritual recebido e oferecemos a nossa racionalidade ao Senhor, pensando com a mente de Cristo, estamos cultuando verdadeiramente Àquele que nos deu vida, e vida com abundância.

 

Para concluir, quero dizer que não é errado sentirmos emoção e até chorarmos quando louvamos ao nosso Deus ou quando em oração nos dirigimos a Ele. Porém, sentir emoção não é a nossa prioridade. Em outras palavras, não devemos cultuar a fim de nos emocionarmos, mas, sim, para racionalmente buscarmos conhecer mais e mais nosso Senhor por intermédio de Sua Palavra.

 

Deus já nos abençoou!

 

 




Voltar