A REVELAÇÃO DA GRAÇA NA TRANSFIGURAÇÃO DE CRISTO | Ministério Graça sobre Graça

 

  A REVELAÇÃO DA GRAÇA NA TRANSFIGURAÇÃO DE CRISTO

A REVELAÇÃO DA GRAÇA NA TRANSFIGURAÇÃO DE CRISTO

Por Cristiano França

 

“E transfigurou-Se diante deles; e o Seu rosto resplandeceu como o sol, e as Suas vestes se tornaram brancas como a luz.” (Mateus 17:2)

 

Há muitas verdades nos textos bíblicos que nós só conseguimos enxergá-las quando nossos olhos são iluminados pela revelação da Palavra da Graça de Deus (Efésios 1:18). E uma dessas descobertas que esteve oculta de nossos olhos é o grande significado da transfiguração de Jesus ocorrida em um monte diante de Pedro, Tiago e João.

 

Como já sabemos ― pois o próprio Jesus deixou claro ― o Senhor veio para cumprir a Lei e os profetas:

 

“Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir.” (Mateus 5:17)

 

E, segundo Paulo, Cristo fez isso em nosso lugar:

 

“Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro.” (Gálatas 3:13)

 

Entender isto é fundamental para que as pessoas se libertem das obras da Lei e assumam plenamente a Graça de Deus em suas vidas. Afinal, muitos ainda defendem a prática dos requisitos do Antigo Pacto por terem em mente a ideia equivocada de que “se Jesus fez, nós temos que fazer”. Ora, se Cristo fez por nós, não é para o Seu povo imitá-lo no que se refere à Lei. Mesmo porque, se temos que realizar as obras sacrificiais que Ele fez, todos nós deveríamos também procurar uma cruz para sermos, literalmente, crucificados como Jesus foi. Os eleitos têm de entender que tudo já foi consumado e que temos um chamado a descansar em Cristo através de Sua Graça.

 

Outro ponto importante é a questão dos profetas. Muitos esperam que as profecias do Antigo Pacto em relação às obras do Messias ainda vão se cumprir, mas isto não é verdade; o Senhor Jesus já cumpriu todas as palavras proféticas proferidas antes da Sua manifestação carnal. Um exemplo: muitos ainda esperam que o pecado seja aniquilado, baseados na profecia de Isaías 1:18. Porém, sabemos que Jesus já aniquilou o pecado e já perdoou Seu povo para sempre por meio de Seu sacrifício (Hebreus 9:26; Efésios 1:7; Colossenses 2:13).

 

No episódio da transfiguração nós encontramos revelações muito importantes que a maioria das pessoas não se dá conta:

 

“E foi transfigurado diante deles; o Seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele. Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus: ‘Senhor, bom é estarmos aqui; se queres, farei aqui três cabanas, uma para ti, outra para Moisés, e outra para Elias’. Estando ele ainda a falar, eis que uma nuvem luminosa os cobriu; e dela saiu uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo; a Ele ouvi. Os discípulos, ouvindo isso, caíram com o rosto em terra, e ficaram grandemente atemorizados. Chegou-se, pois, Jesus e, tocando-os, disse: ‘Levantai-vos e não temais’. E, erguendo eles os olhos, não viram a ninguém senão a JESUS SOMENTE." (Mateus 17:2-8)

 

O rosto de Jesus como um sol e suas vestes brancas como a luz apontam para a Sua Majestade e inequívoca Santidade. O aparecimento de Moisés e de Elias representam, respectivamente, a Lei e os profetas. A nuvem que os cobriu simboliza a Glória de Deus e a voz do Pai assegura a Unção de Jesus: a Sua posição como Filho e, consequentemente, como Messias e Cordeiro de Deus. No final do relato vemos que os discípulos estavam atemorizados e foram confortados por Jesus. Ao olharem ao redor viram que somente Ele restara. Muitos podem interpretar que Moisés e Elias foram embora apenas. Mas, se observarmos bem o texto histórico, veremos algo a mais. Pedro desejava a permanência dos três (Moisés, Elias e Jesus). Porém, ao final de tudo, somente Jesus permaneceu. Isto nos mostra que os três não podem estar juntos; a Lei e os profetas, portanto, já foram cumpridos e quem fica é somente Jesus, isto é, a Nova Aliança ― a Graça de Deus.

 

 




Voltar