A GENUÍNA LIBERTAÇÃO | Ministério Graça sobre Graça

 

  A GENUÍNA LIBERTAÇÃO

A GENUÍNA LIBERTAÇÃO

Por Cristiano França

(Instagram: cfeleito)

 

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:32)

 

Muito se fala em libertação no meio dos âmbitos religiosos que se dizem cristãos. Aliás, esta palavra é a mais usada para “vender o peixe” que eles oferecem às pessoas.

 

A esmagadora maioria das denominações religiosas se autoproclama como o bastião da libertação e o problema maior não é este. O grande erro da religião neste assunto é a forma como seus líderes veem a libertação e, pior ainda, são os métodos que eles implementam para supostamente trazer liberdade às vidas que são lideradas por eles.

 

As pessoas que seguem as ideologias religiosas estão numa posição muito semelhante aos judeus na época de Jesus de Nazaré:

 

“Eles lhe responderam: Somos descendentes de Abraão e nunca fomos escravos de ninguém. Como você pode dizer que seremos livres?” (João 8:33 — Nova Versão Internacional)

 

Como se pode constatar facilmente no texto que acabamos de ler, os hebreus não percebiam que precisavam de libertação. Eles perguntaram a Jesus: “Como você diz que precisamos ser libertos, se nós não somos escravos?”. Daí a semelhança que citei anteriormente com as pessoas de hoje em dia que estão submetidas à religião. Afinal, quem é membro de alguma denominação evangélica, é católico ou está sob a tutela de qualquer outro segmento religioso, apesar de estar preso nos dogmas, proibições, imposições e demais heresias do sistema, não se vê como escravo e, consequentemente, não admite que precisa ser liberto.

 

Os líderes religiosos passam a ideia de que a libertação depende do esforço individual das pessoas. Assim, eles impregnam a mente dos eleitos com mentiras, tais como: “Vocês estão enfeitiçados”; “Estão contaminados com alguma maldição”, e outras coisas semelhantes a estas. Com isso, os frequentadores são levados a se esforçarem e fazerem as famigeradas “correntes (ou campanhas) de libertação”, darem o “seu tudo” (financeiramente falando), entre outras invencionices. É claro que nem todas as congregações legalistas são tão agressivas quanto as que usam dos expedientes que acabei de citar. Mas, mesmo denominações mais “sérias” têm um conceito bastante equivocado sobre o que é libertação, pois pensam que libertar as pessoas é fazê-las “aceitarem a Jesus” e, por conseguinte, levá-las a seguirem seus mandamentos. Porém, achar que “aceitou a Jesus”, se “batizar” nas águas, tomar “Santa Ceia”, cumprir ordenanças etc. não tem nada a ver com ser liberto (isto, na verdade, é estar ainda mais preso). Segundo vimos claramente logo no versículo citado no início, a libertação genuína vem do conhecimento do Evangelho. Ou seja, não é uma “corrente” ou mandamentos de homens que libertam, mas, sim, conhecer a Verdade.

 

“O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento…” (Oséias 4:6)

 

Mais uma vez a Palavra do Senhor deixa claro que é o conhecimento de Deus que impede a destruição do povo.

 

Somente quem conhece a Verdade é genuinamente liberto. E a Verdade em questão é o Evangelho da Graça — a Palavra do Novo Pacto que evidencia os benefícios conquistados por Cristo para nós na cruz do Calvário. Como sempre costumo dizer, a Graça e a Verdade são a mesma coisa; são as duas faces da mesma moeda:

 

“Porque a lei foi dada por meio de Moisés; a Graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.” (João 1:17)

 

Assim, concluímos que somente os que possuem o conhecimento da Palavra da Graça de Deus podem se considerar genuinamente livres.

 

DEUS JÁ NOS ABENÇOOU!

 

 







Voltar