A CRUZ DE CRISTO E SEUS INIMIGOS | Ministério Graça sobre Graça

 

  A CRUZ DE CRISTO E SEUS INIMIGOS

A CRUZ DE CRISTO E SEUS INIMIGOS

Por Cristiano França

 

"Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse, e agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo." (Filipenses 3:18)

 

Certamente não é por acaso que o apóstolo Paulo chama o genuíno Evangelho que ele defendia de “Palavra da Cruz”:

 

“Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus.” (1ª Coríntios 1:18)

 

A Mensagem da Graça é conhecida assim, pois Ela evidencia todas as conquistas de Cristo por nós na cruz. Por isso, só pode ser considerada como verdadeiro Evangelho a pregação que apresenta os eleitos de Deus perfeitos em Cristo (Colossenses 2:10), abençoados com todas as bênçãos, salvos para sempre, amados eternamente por Deus, selados com o Espírito Santo da promessa, entre muitos outros benefícios. 

 

Como podemos constatar no versículo citado no início do texto, o apóstolo dos gentios afirma claramente que os inimigos do sacrifício de Cristo eram muitos:

 

“Porque MUITOS HÁ (...) que são inimigos da cruz de Cristo.” (Filipenses 3:18)

 

O que é triste de se constatar é que esta realidade não mudou. Hoje em dia, quase dois mil anos depois da queda do templo de Jerusalém, ainda vemos que os inimigos da cruz são muitos; a esmagadora maioria, na verdade.

 

Alguém pode se perguntar o que significa ser um inimigo da cruz e a resposta é bem simples: são todos aqueles que se opõem às conquistas de Jesus Cristo no Calvário. Vejamos alguns exemplos de oposição à cruz:

 

1) A maioria dos segmentos que se autoproclamam cristãos ensina que é preciso jejuar para “vencer a carne” e/ou para nos santificarmos diante de Deus. Este é um ensino que se opõe à cruz, pois através de Sua morte Jesus Cristo já derrotou a natureza humana e santificou o Seu povo para sempre:

 

“Sabendo isto, que o nosso homem velho foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado fosse desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado.” (Romanos 6:6)

 

“E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.” (Gálatas 5:24)

 

“Pelo cumprimento dessa vontade fomos santificados, por meio do sacrifício do corpo de Jesus Cristo, oferecido uma vez por todas.” (Hebreus 10:10)

 

2) Existem denominações que eu, particularmente, as chamo de “correnteiras”. Ou seja, são aquelas que apelam para a prática de correntes ou campanhas, afirmando que tais perpetrações seriam responsáveis por trazer bênçãos aos participantes. O Evangelho, no entanto, ensina que o Eterno, por meio de Cristo, já nos abençoou com todas as bênçãos e que a manifestação das mesmas se dá por meio de pedidos, súplicas e ações de graças a Deus (Efésios 1:3; Filipenses 4:6). Assim, os cães gulosos que enganam o povo com suas correntes são grandes inimigos da Obra-mor de Cristo.

 

3) A maioria das lideranças denominadas cristãs afirma que é possível um filho de Deus perder a Salvação eterna. No entanto, o Evangelho ensina que através de Sua morte Cristo nos reconciliou com Deus para sempre e nada pode mudar esta realidade (Romanos 5:10; Colossenses 1:21; 2ª Coríntios 5:19; Romanos 8:35).

 

Enfim, todos aqueles que fazem o povo de Deus viver nestas e em outras heresias, e em obras da Lei (circuncisão, dízimos, páscoa judaica, jejuns etc.) são inimigos da cruz de nosso Senhor Jesus Cristo.

 

 




Voltar